segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Lúcio Flávio Pinto: “Minha arma é a informação”


Publicado originalmente no blog Dois Pontos. 

Francisco Ucha - 05|02|2014.

Lúcio Flávio Pinto: “Minha arma é a informação”

Criador do Jornal Pessoal há 25 anos, Lúcio Flávio Pinto esteve em São Paulo no final de outubro de 2012 para receber o Prêmio Especial Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, justa homenagem a um jornalista inquebrantável. Em seu discurso de agradecimento – publicado na íntegra no Jornal da ABI 384 –, Lúcio Flávio explicou os motivos pelos quais decidiu lançar o seu bravo jornal: publicar uma matéria sobre o assassinato do ex-Deputado Paulo Fonteles, “um dos crimes políticos mais graves que já ocorreu no Pará” e que exigiu três meses de investigação.

A matéria fora recusada pela diretora do jornal O Liberal por incriminar “dois dos maiores anunciantes da empresa”. Por causa dessa vergonhosa negativa, o Jornal Pessoal nasce e chega às bancas de Belém do Pará no início de setembro de 1987, trazendo o que o bom jornalismo pode oferecer: matérias apuradas com precisão e muito bem escritas, que privilegiam a verdade, numa publicação independente e totalmente sem anúncios.

É claro que isso lhe trouxe problemas. Grandes problemas. Lúcio Flávio é o jornalista mais perseguido e censurado do País. E também um dos mais premiados. Sua coragem para escrever temas espinhosos que os jornais não publicam, e sua coerência em não se alinhar com nenhum grupo, o colocam como alvo de violentos ataques pessoais e da censura de juízes que se acham acima da Constituição e tentam amordaçar o verdadeiro jornalismo, pouco praticado nos dias de hoje.

Foi para conhecer um pouco mais do pensamento de Lúcio Flávio Pinto, que o Jornal da ABI o encontrou em São Paulo. “Nós somos paladinos da verdade. E ela é um dever de ofício, não é um elemento distinguidor do herói e do covarde. Se você é jornalista, você é um sacerdote da verdade. E se você não é o sacerdote da verdade, não é digno de ser jornalista”, disse-nos com entusiasmo na entrevista que pode ser lida a seguir:

Entrevista publicada originalmente no Jornal da ABI 386, de janeiro de 2013.

“O compromisso do jornalista é socializar a informação”

O jornalista mais perseguido do País diz que a verdade está proibida em plena democracia e ressalta a importância da verdadeira imprensa.

• • •

Entrevista concedida a Francisco Ucha

Publicada no Jornal da ABI em janeiro de 2013

É possível fazer cobertura da Amazônia sem estar lá?
Não.

Então os grandes jornais têm que ter jornalistas lá de qualquer maneira?
E não têm! O Estado de S.Paulo tem, mas é um colaborador, não é funcionário do jornal. O Estadão já teve uma sucursal lá, com cinco pessoas na sede, e correspondentes em todas as capitais. Nós não tivemos nenhuma evolução na cobertura da Amazônia, tivemos uma involução grande. A Veja teve uma sucursal, a Manchete teve uma sucursal. Hoje ninguém tem. No máximo, um colaborador. A Folha de S.Paulo tem um correspondente, que fica lá.

Houve realmente uma involução do jornalismo diário em todos os setores, porque diminuíram as equipes e aumentaram a pressão por produção de matérias. Dá para formar um jornalista assim?
Há duas coisas terríveis. Como é que se forma o grande jornalista? Ele se forma nas viagens, como enviado especial. Clóvis Rossi é o exemplo mais acabado do jornalista formado como enviado especial. Hoje, quase não há viagens e as que existem são patrocinadas por alguém interessado, mesmo que o jornal dê essa informação, que viajou a convite de fulano. Mas as viagens espontâneas, que não são de cobertura oficial, as matérias criadas, são muito poucas. Então, há uma deficiência de formação porque o jornalista é um homem de rua. Se ele tiver background e acrescentar à sua capacidade a forma de agir na rua, ótimo! Mas sem a base não adianta ter toda essa informação de retaguarda. E a outra grande coisa mais nociva foi a que os grandes nomes do jornalismo passaram a ser empresas individuais, por imposição das empresas que os contratam. E quando eles passaram a ser empresas individuais, com todo o ônus de uma pessoa jurídica, começaram a pensar duas vezes antes de se arriscar. Tornaram-se cautelosos, e alguns ficaram covardes. E também o custo social da empresa do jornal passou para a empresa individual do jornalista. Para compensar, ela projeta o jornalista, faz grande propaganda, publica foto, imagem, e ele passa a ganhar dinheiro num circuito que não é jornalístico, fazendo palestras em circuito fechado, palestra para empresários, para grupos de pressão, mas não para o público. Muita informação circula nesse circuito de jornalistas palestrantes, que cobram 15 mil, 20 mil, 30 mil por palestra. Ele passa a ser empresário, perde a identidade com o leitor, com a opinião pública. O primeiro grande exemplo dessa tendência nociva foi o Plano Collor. Ninguém furou o Plano Collor. Ninguém! O jornalismo econômico sabia do Plano! Eles tinham o compromisso com quem? “Não, eu vou deixar para dar essas informações exclusivas no circuito de minhas palestras porque isso aumenta o meu valor”. Ele está cobrando 40 mil porque esse jornalista tem informações exclusivas e só dá para quem paga as palestras. Isso é terrível! A par do corporativismo empresarial, do comprometimento político, o jornalista é uma empresa. Alguns dos maiores jornalistas do País viraram empresas. Por isso que o Mário Sérgio Conti, no posfácio da segunda edição do livro dele, Nos Bastidores do Planalto, cita os jornalistas que naquele ano, em 1992 – vinte anos atrás – combatiam e denunciavam o Collor, e hoje prestam serviços de imagem para políticos. Eu acho que esse é um problema sério. Poucos jornalistas hoje se arriscam, e isso faz que a qualidade da informação, em plena época de democracia, tenha decaído. Em parte pela Justiça perseguindo, ou os patrões com os seus interesses, mas em boa parte por pecado individual dos jornalistas, que não estão mais com compromissos éticos com a sua profissão. Nem diria “ético”! É um compromisso de ofício! Qual é a nossa função? Nós somos auditores populares. Nós somos os auditores mais importantes porque nós auditamos o poder em nome da sociedade, que também é um poder.

Certa vez, o Jarbas Passarinho era Presidente do Senado e estava com uma briga com o Passos Porto, que era do mesmo partido, o PDS. E juntou um grupo de jornalistas para entrevistá-lo, aquele amontoado de gente, e o Passarinho, que gosta de fazer piadas, disse: “Poxa, devíamos ter contratado jornalistas logo depois de revolução, porque eles iriam conseguir arrancar das pessoas que foram presas, os subversivos, informações que nós não conseguimos”. Aí eu disse: “Senador, e não ia precisar torturar ninguém para fazer isso”. Então, o jornalista é isso, ele não tem arma nenhuma a não ser a busca da verdade. O compromisso dele é socializar a informação e emitir o máximo possível para a opinião pública. E esse compromisso está cada vez mais diluído. É um número cada vez menor de profissionais comprometidos com isso. Nosso poder – porque realmente é um poder – só é legítimo se for mediado pelos interesses da sociedade, senão é abusivo. Esse jornalismo investigativo de dossiês é terrível! As pessoas pensam que esse é o jornalismo investigativo e não é, porque, na verdade, já está pronto. Ele passa a ter o compromisso para quem dá o dossiê de assumir aquilo como verdade. Eu recebo dossiês, mas para mim dossiê é pauta, jamais uma matéria pronta! Há um elemento que distingue o jornalista do cientista político, do psicólogo, do sociólogo, de qualquer outro profissional das ciências humanas: é o contato direto com a realidade. O jornalista, por exemplo, investigando um caso de corrupção… Ele tem que ir falar com as pessoas, tem que enfrentar todos os lados, tem que ser capaz de quebrar as barreiras. Eu fiz matérias sobre o tráfico de drogas em Belém, em dezembro de 1991, quando foi feita a maior apreensão até então de cocaína no Brasil: uma tonelada. Eu mostrei todos os elos do tráfico internacional de drogas por Belém com a alta sociedade. Pessoas poderosas! Contei histórias terríveis! Eu ia falar com os traficantes. Entrava em contato com o pessoal e dizia: “Sou jornalista, estou fazendo uma matéria de denúncia sobre o tráfico de drogas e tenho uma informação sobre você. Eu quero saber o seguinte: você está disposto a falar abertamente? Não vou gravar e se você disser que a informação não pode sair, não vai sair, mas eu quero lhe ouvir”. Para minha surpresa, alguns traficantes aceitaram e eu conversei com eles! Alguns disseram: “Isso aqui é só para sua informação e você não pode usar”. E cumpri. Não gravei. Eu jamais seria o Tim Lopes. Não que eu seja covarde e o Tim Lopes, corajoso. É porque eu sou um profissional que tenta não se deixar manipular por ninguém, e o Tim Lopes foi manipulado pela Rede Globo. Se eu fosse o chefe do Tim Lopes, jamais teria dito para ele ir com um gravador oculto, câmera oculta… jamais! Nunca fiz isso como repórter…

“O jornalista não tem arma nenhuma a não ser a busca da verdade. O compromisso dele é socializar a informação e emitir o máximo possível para a opinião pública.”

Ele foi escondido…
Foi. Ele não foi como jornalista. Eu vou para todos os lugares como jornalista. Se não me aceitam, o problema é de quem não aceita. Ele foi escondido! Não se faz isso com traficante. Se tem um código de ética, vamos cumprir. Se eu não aceito isso, então não vou atrás dele. Vou tentar de outra maneira. Já aconteceu comigo várias vezes, a porta se fecha e a pessoa não quer me receber. Eu respeito. Mas não há só um caminho para a verdade. Bertold Brecht dizia que há cinco maneiras de dizer a verdade. Eu vou por outros caminhos. Por exemplo, a estrada mais cara do Pará, proporcionalmente a mais cara do Brasil, é a BR-150, que liga Belém ao extremo Sul do Estado. Eu queria saber quanto custava aquilo. Uns diziam uma coisa, outros diziam outra, nenhuma informação era checada e eu não dizia o quanto custou, só dizia que era uma estrada cara. Todos os governos, desde 1972, refazem esse estrada e ela nunca está pronta. São 1.100 quilômetros. Ela pega toda a área madeireira, pecuária, mineração; é uma estrada importante e a maior parte dela se tornou BR, a União se apropriou da estrada. Até que a Construtora Andrade-Gutierrez entrou com uma ação contra o Governo do Estado cobrando. Aí eu peguei os seis volumes dos autos, e disse: “Não me interessa quanto tempo vou gastar, eu vou ler o processo inteiro”. E passei duas semanas indo todos os dias ao cartório, porque não podia tirar o processo. Aí eu cheguei ao preço da estrada pela informação da Andrade. A Andrade não me deu, mas para se ressarcir ela teve que dar todos os custos. Eu levantei tudinho. O processo tem 1.800 páginas e não tem um só lugar onde estavam os custos, eu tinha que pegar várias informações, atualizar, fazer alguns cruzamentos de informação. Então, acho que é isso que se tem que fazer.

Essa matéria rendeu algum processo para você?
Nenhum. Tudo era informação da Andrade-Gutierrez. Ela não podia fazer nada. E o Governo do Estado, que estava questionando, perdeu a ação. A Andrade ganhou, porque ela realmente tinha direito àquilo. Só que aí entra o jornalismo. Eu fiz o jogo da Andrade? Não. Porque eu mostrei que a Andrade conseguiu dinheiro através da Operação 63, que permitia a nacionalização de moeda estrangeira. Quem fez o empréstimo foi a Andrade e ela usou aquele dinheiro para outras obras dela. Então eu mostrei o outro lado, que evidentemente não estava na ação. Então, o jornalista que está na rua, que lida com as pessoas, que vê os fatos, tem o elemento que o distingue de qualquer outro profissional: a malícia. Não é a malícia dolosa. Se me dizem: “É xis”, eu aceito que é xis, mas vou procurar saber se é xis mesmo. Eu não aceito nenhuma informação como pronta para ser divulgada enquanto eu não checo. E checar às vezes exige ir ao lugar, ler um processo imenso, conversar com as pessoas; essa é a riqueza do jornalismo! O jornalismo não pode ser restrito a uma tela de computador, circular na rede mundial de computadores, pesquisar no Google, ligar para a fonte. Na época do regime militar, eu tinha fontes militares. Por exemplo, eu tinha uma fonte, um oficial do Exército que, quando eu conversava com ele, brigava comigo. Nós passávamos 80% do tempo da nossa conversa brigando! Ele dizia: “Você é comunista!”. Mas era um homem honesto e decente que tinha uma divergência comigo. Quando nós chegávamos a um ponto tal que a discussão era acesa, a gente parava e tomava um cafezinho. (risos) Uma fonte vital para mim. Eu estava em Belém e O Estado de S.Paulo me pedia informações sobre os militares, que eu mandava com a certeza de que ninguém tinha. Aquela fonte era preciosa, ele era um intelectual do Exército, que acreditava no Exército.

Acreditava no golpe? Chamava de “revolução”?
Ele acreditou. Depois ele disse que ficou desiludido! Ele era anticomunista, achava que os esquerdistas eram nefastos, que só querem conquistar o poder, muito na linha de Milovan Djilas, que denunciava a nova classe, “Isso aí é outro dominador, prefiro ficar no que eu já conheço”. Mas era um homem honesto e muito bem informado. Semanalmente ele estudava o Almanaque do Exército. Sabia tudo sobre todos os oficiais, generais, coronéis, e foi militar durante 38 anos. Era uma fonte preciosa, que eu nunca perdi. E várias outras. Então, o jornalista é isso: são suas fontes. É impossível um jornalista que não tenha fontes seguras e confiáveis, mesmo que possa funcionar com códigos, como o Deep Throat, do Woodward. Numa escala micronésima, eu tinha o meu Deep Throat. Ele nunca me dava uma informação, mas se eu perguntasse se uma informação era verdade, ele nunca mentiu. Como ele era alto funcionário público, achava que não podia trair o Governo ao qual pertencia. Mas quando eu sabia da informação sem precisar dele, ele dizia se era boa, me indicava fontes, sempre me orientou. Isso é o nosso compromisso: ter a melhor informação para passar para o público, e não simplesmente destacar essa informação sem o esforço que ela exige. Essa matéria sobre a BR-150 eu levei cinco anos para fazer. Quando publiquei, em 2002, era 1 bilhão e 100 milhões de dólares. É uma estrada fantástica. Levei cinco anos porque não havia uma fonte que garantisse que a informação era verdadeira. Mas fiquei ligado, nunca perdi a perspectiva. Cada vez que aparecia alguma coisa, eu anotava. Tinha o meu dossiê da BR-150. O meu livro sobre o Jari, que é o de que eu mais gosto – Jari: toda a verdade sobre o projeto de Ludwig –, foi assim: eu recebi a correspondência confidencial do General Ernesto Geisel com o Ludwig, e a pessoa que me deu essa correspondência, que era íntimo do grupo Geisel, me disse: “Você não pode divulgar por dez anos, porque é o prazo que eu acho que ninguém vai me identificar como a fonte. Você topa?” Quando completou dez anos, eu fui para os Estados Unidos com uma bolsa e escrevi o livro lá. Imaginei que fosse ter uma grande repercussão, porque o Ludwig tratava o Geisel como um funcionário dele. O “grande” Geisel, general prussiano, Ludwig tratava dando ordens. Mas o livro não teve repercussão, mas foi um trabalho capaz de repercutir.

Quanto tempo você ficou nos Estados Unidos escrevendo?
Fiquei seis meses, com uma bolsa da Universidade da Flórida, até escrever o livro e fazendo outras coisas; foi o melhor período para mim, porque nunca tive isso no Brasil. É uma coisa interessante, porque Ludwig é um ícone americano, era o maior milionário americano da época, e a Universidade nunca fez nenhuma restrição. A bem da verdade, nunca saiu em inglês nos Estados Unidos, mas saiu em português em 1984. Ganhei até o Prêmio Esso com parte do material que tinha e usei numa reportagem. Era o modelo do grande projeto do que era a participação estrangeira no Brasil. Aguentei dez anos. Jamais falhei com minhas fontes. Você pode eliminar a fonte quando ela falha. Pode até continuar com uma relação de amizade, mas elimina a fonte. Eliminei várias fontes.

Mas também, em certos casos, não há um jogo de interesses da fonte com o jornalista?
Na cobertura desse caso da penetração do narcotráfico internacional no Pará, em Belém particularmente, que envolveu uma das mais tradicionais famílias de lá com o principal representante do tráfico, chegou um ponto em que eu estava revelando coisas tão explosivas, tão graves, que ouvia muita coisa dos traficantes e não sabia se podia confiar neles. É muito perigoso, mas era um jogo aberto, eles sabiam quem eu era e nenhum nunca desmentiu. Mas sentia o peso do risco que estava correndo. E algumas informações que recebia eu ligava para os meus colegas da editoria de Polícia, nos jornais diários e dizia: “Eu vou te dar um furo”, e dava. Depois de certo tempo, ninguém queria nem ouvir!

Os jornalistas não queriam ouvir a informação que você tinha?
Não queriam! Mas quando houve a apreensão pela Polícia Federal de uma tonelada de cocaína, veio todo mundo, até a TV Globo, para uma entrevista com o delegado que tinha feito a apreensão.

Mas a Polícia não sabia do envolvimento dessas grandes famílias?
Mas o problema com esse que estava envolvido é que o pai dele era Secretário do Interior e Justiça, responsável pelas penitenciárias do Estado; então havia o receio de se tocar nele. Porque há uma coisa gravosa no Brasil: o bom policial sempre é punido porque ele atravessa a linha demarcatória entre aqueles que estão acima de qualquer suspeita e aqueles que podem ser presos. Então, todo policial tem receio de atravessar isso; daí a impunidade dos poderosos. Os que atravessam invariavelmente são punidos porque não respeitaram o código da elite brasileira, que é uma das piores elites do mundo. Então, quando foi apreendida aquela quantidade de droga, todo mundo foi para lá para a entrevista coletiva com o delegado. E o Jornal Pessoal era o único que dava matérias sobre esse assunto há cinco meses, era o único! Ninguém mais dava! E o delegado começou a falar. Quando terminou a entrevista coletiva, que estava lotada, um dos colegas disse: “Lúcio, por que você veio a esta entrevista coletiva? Não fizeste nenhuma pergunta!” E eu respondi: “É que eu já sabia tudo o que o delegado ia falar. Agora vou ter uma conversa em off com ele porque tenho algumas informações que eu acho que ele não tem e, certamente, ele tem algumas que eu estou procurando e não tenho”. E esse colega disse: “Então vamos ficar, porque agora é que vai ser bom”. Aí, eu olhei bem sério para ele e disse: “Olha, não existe off coletivo. Off é jornalista e fonte. Mas, eu vou criar o ‘off coletivo’ hoje aqui! Pode ficar todo mundo aqui, não tem problema! Vou dar todas as minhas informações exclusivas, mas… tem que publicar! Só fica quem se comprometer a publicar!”. Em dez segundos, foi todo mundo embora! E o delegado, perplexo, me olhou e disse a seguinte frase, que ficou como um dos momentos mais tristes da minha carreira: “Lúcio, eles são teus colegas?!” Eu e o delegado ficamos dois minutos perplexos. O quê os impedia de ficar? Não havia orientação do patrão, ninguém sabia que eu iria estar lá, ninguém sabia que eu ia dizer isso! Por que não ficaram?! Foi o momento em que eu senti a covardia do jornalista! Foi pura covardia. Medo! Aí as pessoas me perguntam: “Tu não tens medo?” Eu tenho! Qualquer ser humano tem medo, mas não sou covarde. Às vezes eu publico uma matéria e digo para mim mesmo: “Lúcio, tu és doido, por que fizeste isso?” Não é nem pelo risco de morte, mas por perder uma velha amizade porque se está escrevendo contra ele. E eu sempre sacrifiquei as minhas amizades.

Você sempre sacrificou suas amizades?
Sempre! Se ele rouba, se fez alguma coisa contra o patrimônio público, não quero ser amigo dele. Eu fui amigo do Jader Barbalho, e hoje não sou. A nossa integridade é o que nos autoriza a abrir as portas do poder. Nós não abrimos as portas do poder para fazer parte do poder, nós somos o antipoder. O poder nos teme. Então as pessoas dizem assim: “Lúcio, você não tem medo de morrer?” Eu tenho muito medo de morrer, sempre me defendi. Todas as vezes em que sou ameaçado, eu reajo não gritando, pedindo apoio de fulano, não. Eu quero saber de onde vem. Se, como jornalista, cubro o que acontece a terceiros, tenho a obrigação de, como jornalista, cobrir a mim mesmo. Eu vou atrás de saber quem está me ameaçando! E sempre descobri. A primeira ameaça grave, grave, que recebi, foi em 1984. O Jader estava no Governo e eu estava mostrando o início da corrupção dele como Governador. E comecei a ser ameaçado. Até que uma ameaça – sempre por telefone, anônima – foi feita no O Liberal, onde eu trabalhava na época, e o dono de O Liberal disse que ia mandar dois seguranças me proteger. Eu disse que não queria, porque segurança foi feito para matar bandido, não para evitar assassinato. Eu nunca tive segurança, nunca andei armado! Minha arma é a informação! Descobri de onde vinha a ameaça, liguei para o Jader e disse: “Jader, estou neste momento escrevendo uma carta para o dono do jornal O Estado de S.Paulo, Júlio Mesquita Neto, dizendo que o que me acontecer a culpa é sua, você é o mandante”. Aí ele disse; “Sabes que não sou eu, não é?”. Eu disse: “Sei, mas é perto de você”. Aí ele parou e disse: “Lúcio, se você mandar essa carta, será a minha ruína política”. Eu disse: “Prefiro que seja a sua ruína política do que eu morrer”. Aí ele disse: “Me dá 24 horas para eu apurar se realmente isso existe? Se é isso o que você está dizendo.” “Dou”. Em 24 horas ele me ligou: “Lúcio, tu tens razão. Eu já desfiz. Acreditas em mim?” Eu disse: “Acredito, mas vou checar”. E eu tinha uma fonte que era o chefe da segurança dele. E fui com a fonte, que não tinha por que me dar a informação. Ele estava se arriscando, porque era amicíssimo do Jader… já morreu até, era da Polícia Militar. É uma coisa inexplicável: mesmo na época do regime militar, determinadas pessoas só tinham a perder sendo fontes, e eram! A pessoa quer se preservar, talvez acredite que há uma outra vida, que há um céu, um inferno, ou quer preservar a sua imagem, ou tem algum fundo de consciência. Ele disse: “É verdade. O chefe reuniu todo mundo e disse assim mesmo: ‘Olha, estão ameaçando o Lúcio e eu já sei quem é! Vou dizer para vocês o seguinte… ele está me criticando, mas ele é meu amigo e eu gosto dele. Não interessa se ele vai me criticar. Eu apoio ele e corto o saco de quem ameaçá-lo!'”.

O Jader falou desse jeito?
Foi. E eles tinham um respeito enorme por ele: “O chefe estava bravo”. Então, por que o Jader fez isso? Porque ele me respeita. Eu sou o único amigo que não foi para o poder com ele. E ele ofereceu todos os poderes para mim quando foi eleito pela primeira vez, em 1982. Porque ele achava que a minha cobertura tinha ajudado a campanha dele. Ajudou porque ele estava vencendo, não foi por minha causa. E eu recusei todos. “Jader, eu estou do outro lado. Se tu errares, eu vou denunciar”. Aí ele abriu a porta onde estávamos reunidos, chamou o Roberto Ferreira, futuro Secretário da Fazenda, que é o mais importante, e nosso amigo em comum, e disse: “Roberto, diz para o Lúcio o que eu disse para ti antes de ele chegar”. “Tu me disseste que mesmo que oferecesse mundos e fundos, ele não ia aceitar nada”. “É isso que eu quero, Lúcio, que tu sejas o meu crítico”. Ele disse isso.

“Para mim, a verdade são os fatos. Se a pessoa gosta de mim ou não, se sou de direita ou de esquerda, isso nunca me interessou. Se estou dizendo a verdade, é o que interessa. A verdade é uma construção cuja ossatura são os fatos, e é isso que eu quero saber: os fatos!”

No fim, a atuação dele foi decepcionante…
Ele destruiu todas as esperanças, inclusive a minha. E eu já disse isso várias vezes. Se você pegar o Google e fizer uma pesquisa “Lúcio Flávio Jader Barbalho” você vai ver. Em 1984, Jader era líder do grupo autêntico do PMDB, era considerado um homem de esquerda, quando eu comecei a criticá-lo. As pessoas ficavam horrorizadas porque eu estava fazendo o jogo da reação, que eu não estava entendendo que era oposição. Eu disse: “Não interessa, se está roubando, está roubando! Se tem gente roubando no Governo dele, está roubando. Cada denúncia que se fizer, ele tem que responder”. Aliás, no segundo Governo, ele fez isso. Cada denúncia ele mandava apurar. Se a apuração era boa ou ruim, é outra coisa, mas ele mandava apurar. Ele aprendeu que, mesmo sem corrigir os vícios do passado, tinha que cuidar da imagem. Mas a imagem já estava comprometida, totalmente desgastada. Ele não era mais o mesmo personagem de quando assumiu o Governo e não foi nunca mais. Toda vez que se fala em desvio de dinheiro público, as primeiras lembranças são Maluf e Jader Barbalho… É um estigma e vai ficar para sempre. No fundo, ele é uma pessoa que sabe que eu faço jornalismo. Não faço mais do que isso. Às vezes, o PT aplaude minhas iniciativas, às vezes me detrata, me ataca, me ofende. Eu estou na minha, não quero apoio de ninguém. Um amigo meu dizia: “Lúcio, tenha pelo menos o apoio de um grupo, tu briga com todo mundo, ninguém vai te apoiar”. Infelizmente, faz parte. Não temos respeito à diversidade e à crítica. Quem é mais adversário da crítica do que o Lula? O Lula não aceita críticas! É um homem hábil, político, de um carisma fantástico e consegue criar uma imagem de quem aceita críticas, mas não aceita. Quem aceita? Eu posso dizer que eu aceito, porque eu publico no Jornal Pessoal, na íntegra, todas as cartas. Já publiquei cartas ofensivas, na íntegra. Naturalmente respondo, e todo mundo sabe que eu vou responder e vou manter a polêmica até o fim. Quem for podre que se quebre. Eu sou daqueles que dão um boi para não entrar numa polêmica, mas dão uma manada para não sair. Para mim, a verdade são os fatos. Se a pessoa gosta de mim ou não, se sou de direita ou de esquerda, isso nunca me interessou. Se estou dizendo a verdade, é o que interessa. A verdade é uma construção cuja ossatura são os fatos, e é isso que eu quero saber: os fatos!

Os leitores do Jornal Pessoal já deveriam estar acostumados com suas denúncias e com o que acontece na região. Mas, como é, efetivamente, a reação de seu leitor? Eles acreditam no que você escreve ou acham que você é alguém que está procurando problemas, sarna para se coçar?
Eu já fui agredido fisicamente três vezes. Essa já é uma resposta. Como incomodo! Eu faço uma alegoria com a história da Branca de Neve. O Jornal Pessoal é um jornal pequeno, sem cor, sem mulher nua, sem coluna social, maçudo, o antijornal moderno ou ‘pós-moderno’, seja lá o que for. Tem dois mil exemplares de tiragem, uma tiragem pequena, e as características dele são quase de um jornal amador. Mas eu sempre lembro que comecei a fazer o Jornal Pessoal quando tinha 21 anos de profissão, tinha trabalhado em algumas das principais empresas do Brasil, tinha sido testado em inúmeras situações; era um jornalista amadurecido. Sob aquela capa de jornal amador, há um jornal limpo, altamente profissional, que já mostrou que sabe fazer jornalismo. Então, o que o Jornal Pessoal publica incomoda por ser único. Não é por ser grande, nem por ser nada, é por ser único. Uma boa parte daquelas informações e análises não aparece em nenhum outro lugar e não é informação irrelevante. Então, a lenda da Branca de Neve é a madrasta que tem inveja e mandou a Branca de Neve para o meio da floresta, mandou o caçador matá-la, e o caçador, com pena, deixou-a ficar lá no meio da floresta. E a madrasta pergunta para o espelho mágico: “Existe alguma mulher mais bonita do que eu?” e o espelho, que era a verdade, dizia “No meio da floresta, sozinha, coitada, a Branca de Neve”. Mal comparando, é mais ou menos isso que o Jornal Pessoal é. As pessoas que foram denunciadas, focalizadas em situação desfavorável, ficam irritadíssimas, revoltadas com isso. Mas não respondem, porque ali está a verdade! O Jornal Pessoal já foi matéria de capa do Los Angeles Times, já foi tema de editorial do Washington Post, já foi matéria de capa do Le Monde. Nenhum jornal da minha região consegue isso, e poucos no Brasil. Por quê? Porque ele é único. É um jornalismo que não abre mão de dizer a verdade, que não tem compromisso com ninguém, com amigo, não tem anunciante, não aceita publicidade, só se mantém porque cumpre essa função. Acontece é que eu sou o jornal! Então, como Belém é uma cidade pequena – tem 1 milhão e 200 mil habitantes –, eu fico permanentemente em situação constrangedora porque aqueles a quem ataco eu me encontro com eles no dia seguinte. Cruzo com eles e alguns não conseguem se controlar e partem para cima de mim. Ou me ofendem ou me agridem fisicamente, o que provocou a única mudança que fiz na minha vida: eu evito sair à noite. Também estou sempre rastreando as ameaças potenciais. Eu faço uma matéria de determinado assunto, continuo ligado àquilo para saber se vem alguma coisa do outro lado. E como conheço bem a cidade onde vivo, as pessoas, posso fazer isso. Não vou até aquele determinado lugar porque ele frequenta. Ao contrário do que as pessoas pensam, eu não sou um inconsequente, só que não consigo reprimir a urgência de publicar as coisas que apuro. É um compromisso que tenho e publico independentemente dos resultados. O Jornal Pessoal se tornou um símbolo. Para se ter uma idéia, um dos setores que eu mais cubro é a Vale. Os jornais de hoje estão dando o balanço trimestral da Vale, mostrando que o lucro caiu 57% e vários números que vêm no press-release. Até domingo ainda vai sair matérias sobre o tema porque tem alta significação para o País. Não sei por que demorou tanto para publicarem sobre esse relatório… Mas eu tenho certeza de que quando eu voltar para Belém e for escrever sobre isso, vou escrever uma matéria que não vai ter igual em nenhum lugar. Ah, eu tenho a presunção de ser melhor que todo mundo? Não! Eu sou igual a qualquer um dos que estão escrevendo. Não é falsa humildade, não. É porque eu tenho a audácia de fazer o que eles não fazem. Eu nunca escrevo sobre os press-releases da Vale, embora sejam belos press-releases. Eu vou no balanço! O balanço me exige três, quatro, cinco, oito dias. Mas eu vou passar esse dias lendo o balanço. E eu sei ler balanço. Estudei bastante Contabilidade, conversei com as maiores autoridades em balanço, hoje sou um analista de balanços. Analiso balanços desde 1979, quando descobri que os balanços das empresas, mesmo naquela época arcaica e com as manipulações todas que as empresas podiam fazer, eram uma boa fonte. Eu leio tranquilamente qualquer balanço, tanto na contabilidade nacional, quanto na contabilidade americana, pois a Vale adota as duas contabilidades. E vou escrever uma matéria assim porque eu li o balanço e não tenho medo. Eu não tenho compromisso, não recebo dinheiro da Vale, que é a maior anunciante do País! E eles nem precisavam anunciar porque o produto dela não é de varejo! É para comprar a imprensa mesmo!

Você acredita que a Vale anuncia para comprar a imprensa?
Para comprar a imprensa, claro. A imprensa não critica a Vale! Mas você vê a importância: todas as pessoas do setor sabem que eu conheço razoavelmente bem a economia mineral, conheço muito contabilidade, então o circuito espera por essa matéria; sabe que eu vou escrever e que essa matéria não vai ser igual às outras. E eu já tenho na cabeça praticamente tudo que vou escrever sobre a Vale e que não está em nenhum lugar. E vou dizer sinceramente: eu gostaria de ler isso em outro jornal, porque me desobrigaria desse trabalho, que é estafante. Infelizmente, ninguém faz! O Jornal Pessoal está no clipping da Vale! Eu sei porque conheço quem faz o clipping. Em 2007, eu estou em casa, às nove horas da noite, me liga o chefe da Comunicação Social da Vale dizendo: “Lúcio, estou aqui num jatinho, estava indo para São Luís, onde amanhã às oito horas da manhã tem uma reunião com todo o pessoal de Comunicação Social da Vale, e recebi agora um aviso do Roger Agnelli…”, – que era o Presidente da Vale, foi o que ficou por mais tempo no cargo, dez anos – “…e ele está furioso contigo, e me ligou do jatinho, porque ele estava indo do Rio para Belo Horizonte, dizendo que tu dizes que ele é um financista, que ele impôs sua visão financeira sobre a Vale, que é representante de banqueiro, do Bradesco… mas que não é nada disso. Ele gritava que ele é um homem honrado, que ele dá todos os jetons dele para instituições de caridade, ele é um homem que tem visão social. Ele exigiu que eu tome o café da manhã contigo amanhã.” E eu disse: “Roger, eu posso falar isso para ele por telefone”. Mas ele disse: “Não! Eu quero que você vá lá! Converse com ele no café da manhã! Então estou te ligando a esta hora para saber se tu podes ir às seis horas da manhã para eu poder estar às oito em São Luís”. Eu disse: “Não tem problema, eu vou. Vou te dizer exatamente isso.” E eu fui para o café da manhã. Quando cheguei, era um ultracafé da manhã, um negócio pantagruélico. Me recebeu o Fernando Thompson, diretor de Comunicação e Imprensa da Vale, que até já saiu de lá. Eu disse: “Fernando, me sinto constrangido com um negócio desses, não precisava gastar dinheiro da empresa com isso”. E ele respondeu: “Não, ele quer”. “Então, por que desceu das suas tamancas para se preocupar com um jornalzinho de província?” Porque aí, eu acho, é a vaidade. É o apreço que o cara tem pelo próprio nome. A minha opinião era importante para ele. Então, você vê que o Jornal Pessoal tem um valor simbólico. É o valor daquele garoto da lenda que diz “O rei está nu!” Para todo mundo, o rei está vestido… mas o rei está nu e o garoto não fez mais do que dizer a verdade. Eu me surpreendo às vezes com essas situações porque o Jornal Pessoal só faz isso e nada mais do que isso. Se ele incomoda tanto ou se provoca admiração, é de se perguntar que jornalismo nós estamos fazendo hoje no Brasil.

“A minha luta não é só para apurar os fatos e manter o jornal circulando, mas resistir fisicamente. Toda essa preocupação dos outros só tem um motivo: o Jornal Pessoal é acreditado.”

O Jornal Pessoal cobre essa lacuna e passa essa credibilidade aos leitores?
Acho que sim. Tenho várias manifestações de que passa essa credibilidade, e ela é posta fora de dúvida. O que alguns questionam muito é que o jornal está fazendo jogo de fulano, jogo se sicrano, que o jornal é de direita, ou de esquerda, que eu sou tendencioso, mas ninguém contesta os fatos. Como eu publico as cartas na íntegra, a melhor maneira de avaliar o jornal é ver aquelas cartas. Não são editadas, nunca foram. Eu acho que o maior patrimônio do jornal é que se o Jornal Pessoal disse é porque é verdade. Agora, é uma verdade que incomoda fulano, uma verdade que agrada sicrano, uma verdade que fulano não aceita, uma verdade não posta em dúvida, mas posta na controvérsia. Por que essa verdade? Não deveria fazer de outra maneira? Então, o único patrimônio do Jornal Pessoal é a credibilidade. Com tão poucos recursos, e o fato – que é importantíssimo – de que a maior parte do meu tempo eu passo me defendendo na Justiça. E não é por outro motivo que dos 33 processos que já sofri 19 foram promovidos pelo Grupo Liberal. Acho que nunca na história, ouso dizer, na história universal, um grupo jornalístico perseguiu tanto um jornalista quanto O Liberal me persegue, sem nunca ter publicado nada nos seus próprios veículos, sem nunca ter contestado de público, sem nunca ter exercido seu direito de defesa sobre o que eu publiquei. Qual é o esforço de me processar tanto? É me tirar da minha apuração. Eu não escrevi a matéria que eu queria escrever sobre a eleição do primeiro turno porque não terminei a análise dos dados. A análise dos dados me levou três dias, eu tive de viajar para receber o prêmio (Prêmio Especial Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos) e não podia escrever com base só naquelas informações que tinha, da maneira como eu queria escrever, que é mostrar que o Pará não é esse Estado desinteressante, que não aparece nas pesquisas nacionais, que não é considerado. Mas eu queria mostrar que é um Estado importante, mesmo quando numa eleição dessas, tão viciada. Mas eu não pude porque não terminei o processamento. Se eu conseguir terminar, na volta, antes da próxima edição, eu escreverei. Porque às vezes dizem assim: “Lúcio deve estar comprometido, porque ainda não escreveu sobre aquele tema que todo mundo está escrevendo”. Mas eu não cheguei à verdade e não tem jeito de me adiantar. O que acontece muito é que eu escrevo o jornal em dois dias; é o único período que eu tenho para escrever o jornal. Nesses dois dias eu trabalho como um cavalo. Já trabalhei uma semana, duas semanas, dois meses sobre aquele assunto, e levo dois dias para escrever o jornal inteiro. Com isso, cometo erros de digitação, às vezes até de concordância, pela pressa, pelo cansaço e exaustão. Por que querem me levar à exaustão? Para que Jornal Pessoal desapareça. Não porque me mataram, não porque fecharam violentamente o Jornal Pessoal, mas porque eu não aguentei. A minha luta não é só para apurar os fatos e manter o jornal circulando, mas resistir fisicamente. Toda essa preocupação dos outros só tem um motivo: o Jornal Pessoal é acreditado.

Você falou que o Jornal Pessoal imprime dois mil exemplares. Ele é todo vendido?
De 60 a 70% são vendidos nas bancas. Ele é o jornal que mais vende em bancas em Belém. Mas não é nenhuma vantagem, porque a maioria dos jornais vende, em grande parte, por assinaturas e ha uma coisa que é específica de Belém, que é o jornaleiro. O principal veículo de venda de jornal é o jornaleiro; segundo é o assinante, e em último a banca. Então, como o Jornal Pessoal só vende em banca, é o que mais vende em banca, mas não é nenhuma façanha.

Você acha que consegue fazer o jornal por mais quanto tempo?
Toda vez eu me pergunto: “Vou fazer o próximo?” Minha dúvida é se eu vou fazer o próximo. Não é demagogia, é que eu realmente não sei se vou conseguir. Às vezes eu termino em total exaustão, porque faço o jornal, vou para a gráfica editar, etiqueto, vou ao correio despachar o jornal, distribuo uma parte pessoalmente e tenho que ficar permanentemente ligado aos processos judiciais, que tomam às vezes 80% do meu tempo. Então, não sei se vou fazer o próximo.

E essa censura de toga que ameaça tanto a imprensa hoje em dia?
A Justiça do Pará serviu de instrumento a todos aqueles que me processaram. Mas a partir do momento em que, além de me defender, eu mantinha a minha opinião crítica da Justiça, de continuar acompanhando a Justiça, eu passei a ser o inimigo dos magistrados. Eles não apenas são os intérpretes e os instrumentos dos que me perseguem, mas passaram a me perseguir também. Eles achavam que eu devia me tornar subserviente, ou pelo menos um aliado, porque eu precisava das sentenças deles. Mas eu nunca fiz isso e continuei crítico, fazendo com eles o que faço com todos os outros. Passou a ser uma questão quase de honra deles, do espírito corporativo, me quebrar, e é o que eles têm feito. Eu tenho publicado denúncias terríveis sobre a Justiça, inclusive que provocaram manifestações do Conselho Nacional de Justiça, da Dra. Eliana Calmon, enquanto ela era Presidente do Conselho. Matérias que eu fazia lá repercutiam no Conselho. Chegou a um ponto em que eu fiz carta-aberta para a Presidente do Tribunal, falando das irregularidades, mostrando, e ela nunca respondeu. Acho isso um absurdo, porque o problema da Justiça é que os magistrados hoje sentem como se vivessem num mundo à parte, no mundo da fantasia; eles se consideram cada vez mais acima do cidadão. As custas são proibitivas. Entrar com um agravo de instrumento, no Estado do Pará, custa R$ 1.200,00 iniciais! O Juizado Especial, que foi feito para acelerar a tramitação dos processos, hoje tem audiência para daqui um ano ou dois. Congestionadíssimo. Mas não é só um problema de rito, é um problema da ética, do exercício da Justiça. Um juiz, o Dr. Amilcar Guimarães, me ofendeu no blog dele! Me ofendeu! E não teve medida nenhuma contra ele. Um outro juiz federal queria me impedir de falar sobre um assunto de interesse público, que era a malversação pelos Maioranas, donos do Grupo Liberal, de dinheiro dos incentivos fiscais. Me ameaçou de prisão em flagrante, de uma multa extorsiva, e eu reagi na hora. Disse que não ia cumprir a ordem dele e, cinco dias depois, ele voltou atrás porque teve uma repercussão inclusive internacional, ele estava violando a Constituição! Estava agindo com uma “justiça” de um país mais selvagem, porque juiz não toma iniciativa. Eu não era parte no processo que ele estava julgando e nenhuma das partes pediu alguma coisa contra mim, e nem podia. Mas ele tomou, de ofício, uma iniciativa dessa? Então, isso mostra o grau de raiva que as pessoas têm com a verdade. Então a verdade está proibida, a verdade é perseguida em plena democracia, no período mais longo de democracia da história republicana brasileira.

“É uma violência que não se traduz apenas em mortes, em assaltos, ou em qualquer forma de violação dos direitos humanos. Ela se traduz na alma, que faz o pânico se refletir nos olhos. Porque a vida não vale nada na Amazônia.”

Certas regiões do Brasil são muito perigosas para quem quer lidar com a verdade. Existe um poder paralelo, compartilhado entre os poderosos locais, que não presta contas ao Governo Federal!
Veja o caso do Chico Mendes, tão escrito e tão abordado. Não houve nenhuma conspiração internacional maior para matá-lo. Foi uma briga de um senhor feudal em Xapuri contra ele. Esse senhor feudal se considerava dono da vida e da morte naquela área. E matou. Ele não tinha ideia do que poderia acontecer com esse fato. Ele acha que pode matar, e mata, como um traficante de morro do Rio de Janeiro, que tem poder de vida e morte na sua “jurisdição”. Ele é tudo! O que está acontecendo no Brasil é isso, esses poderes que são ilimitados, que não têm conexão nacional, seja que tipo for de conexão, com o Governo Federal, com os empresários, com multinacionais, não têm, é um poder localizado. E esse poder às vezes comete atos do qual não ha avaliação correta. Pode acontecer de um cidadão, prejudicado por um artigo, mandar me matar sem haver conspiração nenhuma, não tem ninguém atrás dele, é ele só. É possível. Mas o que é mais grave é o caso dos poderes institucionais. Esse é o mais grave. Estou falando do poder não personificado. O conjunto dos elementos que integram o poder. Logo depois de eu receber o Prêmio Herzog, uma pessoa me perguntou: “Agora ficou melhor a situação para ti lá no Pará?” e eu disse: “Não necessariamente”. Eu não pude, por exemplo, em 2007, ir à Nova York receber no Waldorf-Astoria o Prêmio do CPJ (Prêmio Internacional da Liberdade de Imprensa concedido pelo Committee to Protect Journalists). Não pude ir, mandei minha filha. O CPJ é a maior entidade de jornalistas do mundo! Sim… mas lá, no sertão, ninguém quer saber. O Guimarães Rosa tem uma frase que define o que é o sertão, independentemente do fator geográfico. Diz assim: “Ah, o Sertão… Deus, se for lá, que vá, mas armado”. (risos) Nem Deus tem garantia de que não vai acontecer alguma coisa com ele. A violência na Amazônia é uma coisa brutal, e não é de hoje. É desde as primeiras estradas. A estrada de rodagem é o fato mais traumático na história da região. É a abertura do vandalismo, da barbárie e da destruição da Amazônia. Em 1982, atravessando de Xambioá para São Geraldo do Araguaia, no Rio Araguaia, entre o atual Tocantins e o Pará – área da guerrilha do PCdoB –, eu vi a violência no rosto das pessoas, no olhar das pessoas. O medo. As pessoas com medo! E quando nós estávamos atravessando, era uma comitiva, o Senador Teotônio Vilela, a Deputada Federal Cristina Tavares, do PMDB de Pernambuco, e o Deputado Federal, na época, Jader Barbalho, para ver os dois padres franceses acusados de insuflar os posseiros a atacar as tropas federais. Quando nós atravessamos o Araguaia, do outro lado estava um PM, de fuzil embalado, que exigiu a nossa identificação. O Senador Teotônio Vilela tentou reagir com aquela sua indignação legendária, ele dizia: “Eu sou Senador da República!” Ele tremia de indignação! “Eu não estou entrando num País estrangeiro, é o meu País!” Impassível, com o fuzil embalado, o PM dizia: “Me mostre a sua identidade”. Aí eu disse: “Senador, nós não estamos num país estrangeiro, mas é como se fosse. Mostre a sua identidade, aceite isso como um preço a pagar para não correr um risco, porque o senhor não sabe como vai ser”. Ele teve de se identificar, e nós todos também. O Teotônio levou um tempo para se controlar. Você vê a indignação da dignidade humana, que ali não interessa. Ali é a violência. Naquela travessia, nós já tínhamos, naquela época, seis anos do fim total da guerrilha. Mas continuava a ter olheiro bate-pau na travessia. Toda gente que atravessava o Araguaia era espionada. Quando voltamos para Xambioá para pegar o avião, já íamos embarcar, quando uma pessoa saiu do mato e disse: “Tirem toda essa gasolina daí que colocaram açúcar na gasolina”. Sabe que o açúcar na gasolina faz o avião cair; mal decola, ele cai. E tivemos que tirar toda a gasolina do avião, para não correr o risco. Podia ser verdade ou não, mas fizemos por segurança. Essa violência na Amazônia é terrível. É uma violência que não se traduz apenas em mortes, em assaltos, ou em qualquer forma de violação dos direitos humanos. Ela se traduz na alma, que faz o pânico se refletir nos olhos. Porque a vida não vale nada na Amazônia. Agora mesmo, uma instituição mexicana, na semana passada, divulgou um estudo sobre as 50 cidades mais violentas do mundo e Belém está em quinto lugar, pelo critério de homicídio per capita. É uma coisa espantosa, assustadora. Belém é mais violenta do que Bogotá, a capital da guerra civil colombiana. Não aconteceu na Amazônia a Revolução Francesa. Ainda estamos esperando que a Revolução Francesa diga sobre a dignidade do ser humano, liberdade, igualdade e fraternidade, que o homem tem direito a sua vida. Por isso que, no meu discurso, eu disse que tenho o direito de viver. Quando morreu o Paulo Fonteles – por causa dele eu criei o Jornal Pessoal –, no enterro do Paulo, na hora em que ele estava sendo enterrado, havia outro deputado estadual, João Carlos Batista, que estava ameaçado. Éramos muito amigos e eu fiz uma brincadeira de humor-negro premonitória. Eu disse: “Batista, sobe aqui no túmulo para a gente bater uma foto tua que, daqui a pouco, és tu”. Eu me arrependo disso, porque eu não devia ter feito isso. A gente não pode brincar com a morte. Mas para você ver como era uma morte anunciada, um ano e meio depois, Batista morreu assassinado na entrada da casa dele, diante do filho e da mulher. Então, o meu ato de criar o jornal foi um ato de indignação quando vi o corpo do Paulo Fonteles, porque eu havia conversado com ele três dias antes, longamente… foi morto a trinta quilômetros de Belém. Um crime político terrível porque abriu as portas para a violência indiscriminada. E ninguém queria publicar as informações que diziam quem mandou matar, quem organizou o crime, quem executou, tudo. Então acho que a nossa atitude de resistência tem que ser essa: a verdade. Nós somos paladinos da verdade, defensores da verdade. E ela é um dever de ofício, não é um elemento distinguidor do herói e do covarde. Se você é jornalista, você é um sacerdote da verdade. E se você não é o sacerdote da verdade, não é digno de ser jornalista.

Para finalizar, você trabalhou no Estadão nos anos 1970. Fale um pouco desse período. Que matéria você destacaria?
Trabalhei muito com o Maurício Azêdo na época do Estadão. Em 1973, fizemos uma matéria incrível sobre a manipulação dos índices de inflação pelo Delfim Netto, numa época em que o jornal devia um favor enorme para o Delfim porque ele conseguiu nacionalizar a dívida em dólar do Estadão, mas… não teve jeito, a matéria era tão bem feita que foi publicada. Havia um censor na Redação, mas tinha o seguinte: muito militar odiava o Delfim. O pessoal do Rio Grande do Sul, da Agricultura, de vez em quando ia lá conversar comigo, saía de Porto Alegre para ir conversar, dando dados contra o Delfim. Eles odiavam porque o Delfim estava liquidando os frigoríficos nacionais para vender para os frigoríficos internacionais. Eu acho que por causa disso, o censor não censurou. No dia seguinte, o Delfim mandou um recado pelo jornalista Robert Appy, que era o segundo da Editoria de Economia, depois do Frederico Heller, que era o editor. Um austríaco, o outro francês. Appy tinha sido maquis da Resistência Francesa na Segunda Guerra. Mas aí ele passou para o outro lado e ficou no esquema do Delfim. Tínhamos terminado de fechar o jornal, era meia-noite mais ou menos; estávamos eu, o Raul Bastos e o Rossi, naquele pós-coito, cigarrinho… (risos), a edição fechada. Aí, chega o Appy. Tira o paletó, bota na cadeira, senta, uma cena cinematográfica, e diz: “Acabei de chegar de Brasília, o Delfim conversou comigo e disse o seguinte: ‘Já acabamos com repórter. Já acabamos com donos de jornais. Já acabamos com editor. Agora vamos acabar com o pauteiro'”. E eu é que tinha feito a pauta da matéria. Ficou aquele silêncio, todo mundo esperando minha resposta. Eu disse: “Appy, foi o maior elogio da minha vida. Pode dizer para o Delfim. O maior elogio que alguém já fez para mim você acaba de fazer!”. Appy olhou, levantou, pegou o paletó, vestiu novamente, parou do meu lado e disse: “Menino, você tem razão”. E foi embora. Quer dizer, ainda havia dignidade dentro do Appy, o ex-maquis, um cara que tinha lutado contra o nazismo. Estava no esquema, mas a consciência continuava viva nele. Esse é o elemento mais precioso do humano, ele é imprevisível.

Texto e imagem reproduzidos do blog: doispontosblog.wordpress.com

sábado, 7 de outubro de 2017

A jornalista Lillian Witte Fibe se incorpora ao time de VEJA...

Da capa à redação - Lillian Witte Fibe e a reportagem de 1994: seu talento e sua credibilidade agora estarão no site de VEJA, que atingiu a marca de 30 milhões de visitantes.
Felipe Cotrim/VEJA.com.

Publicado originalmente no site da revista Veja, em 6 out 2017

Carta ao Leitor: Sucesso digital

A jornalista Lillian Witte Fibe se incorpora ao time de VEJA no meio digital em um momento luminoso do site

Por Da Redação

A jornalista Lillian Witte Fibe é a mais nova contratação do site de VEJA. Além do talento e da credibilidade, Lillian traz consigo um ineditismo: é a primeira jornalista a trabalhar em VEJA depois de ter sido, ela mesma, capa da revista. Na edição de 20 de abril de 1994, ela apareceu na capa acompanhada do título “A primeira-dama da notícia”, em reportagem que analisava seu sucesso à frente do Jornal da Globo. Dois anos depois, Lillian cravaria outro ineditismo: tornou-se a primeira mulher a apresentar o Jornal Nacional como titular.

Com passagens por SBT, TV Cultura, UOL e outros veículos, Lillian agora se incorpora ao time de VEJA no meio digital, onde falará sobre política, economia e outros temas para os quais sua atenção incessante seja atraída. Uma vez por semana, fará uma participação em TVEJA e comandará um blog com atualizações frequentes, além de estrelar transmissões ao vivo no Facebook e no Twitter, plataformas em que VEJA reúne mais de 15 milhões de seguidores.

Lillian chega em um momento luminoso do site, que acaba de bater o próprio recorde de audiência ao ultrapassar a marca de 30 milhões de visitantes únicos em setembro, segundo a medição do Google Analytics. É um número estupendo, equivalente a quase um terço do total de internautas do país — 107,9 milhões de brasileiros, de acordo com a edição mais recente da pesquisa TIC Domicílios.

Com uma cobertura dinâmica, associada à presença de colunistas exclusivos e a furos de reportagem, VEJA procura apresentar-se em sua versão digital com a mesma excelência com que construiu sua história de sucesso na versão impressa. A chegada de Lillian reforça essa trajetória.

Texto e imagem reproduzidos do site: veja.abril.com.br

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Walter Longo: Os desafios da comunicação na era pós-digital


Publicado originalmente no site do jornal O Povo, em 19/06/2017.

Walter Longo: Os desafios da comunicação na era pós-digital

Presidente do Grupo Abril, Walter Longo fala sobre as mudanças que o mundo digital trouxe e defende a mídia tradicional

A migração das mídias para o mundo digital se dá por mecanismo de adição e não por substituição. É a partir deste conceito que o executivo Walter Longo estrutura seu raciocínio para tratar da comunicação no que ele chama de Era Pós-Digital. Para o presidente do Grupo Abril, o grande erro que o mercado midiático, de uma maneira geral, cometeu quando do advento do mundo digital foi acreditar que ele substituiria as mídias tradicionais. O que não ocorreu e nem ocorrerá, garante Longo nesta entrevista ao O POVO.  Segundo ele, passados o medo e a excitação advindos da chegada do ‘novo mundo’, leitores e anunciantes estão voltando para as mídias tradicionais. Na entrevista, Longo reflete ainda sobre o papel das redes sociais nos meios de comunicação.

O POVO – Um dos temas que você trata em suas palestras são os desafios da Era Pós-Digital. Você acredita que nós já atravessamos a era digital e estamos vivendo numa etapa posterior?

Walter Longo – Há uns 15 ou 20 anos, quando o mundo digital apareceu, ele gerou simultaneamente excitação e medo. As pessoas ficavam excitadas ao poderem descobrir a música que está tocando no ambiente, graças ao Shazam, e ao mesmo tempo a gente tinha medo de botar o cartão no site, porque achava que iriam clonar. Sempre que um mundo novo aparece, a gente sente excitação e medo ao mesmo tempo. Quando os portugueses chegaram nas praias brasileiras, os índios ficavam com aquela sensação simultânea de excitação e medo. Então, essa sensação foi o que fez o mundo digital. Nos últimos 15, 20 anos essa sensação de excitação e medo foi diminuindo e foi aumentando a sensação de algo que é comum, cotidiano, normal. As pessoas se acostumaram com o digital a tal ponto, que hoje a gente diz que está na era pós-digital. Uma era em que o digital é como o ar, você só vai sentir quando faltar. Já faz parte da vida da gente, de toda a população brasileira, não só de uma casta. Hoje todo mundo tem um celular, todo mundo pode falar com quem quiser em qualquer lugar do mundo. Quer dizer, esse mundo digital hoje está presente na vida de todos nós. Então, a gente chama de Era pós-digital, porque daqui para frente o digital não é mais novidade, não é mais surpresa, não é mais nada, é simplesmente o modo de você se relacionar com o mundo.

OP – O meio da comunicação foi um dos mais impactados com o advento da era digital. Notadamente nos últimos 10 anos, os veículos impressos, jornais e revistas, sentiram um baque muito grande por conta do avanço do digital. Você consegue ver alguma possibilidade de superação do impacto inicial dessa crise?

Walter – Primeira coisa importante, até 10, 15 anos atrás, tínhamos um bolo com quatro pedaços: revista, jornal, TV e rádio. Agora esse bolo tem 12 pedaços. É claro que o pedaço de todo mundo fica menor. Por mais que o bolo cresça, sempre será um pedaço menor. Em primeiro lugar, nunca mais teremos o mesmo share de mercado que tivemos porque hoje está dividido entre muito mais alternativas de mídia. Estou falando na área de mídia, na área da propaganda, de anunciar etc. Passada a excitação do digital, as pessoas estão voltando para os meios tradicionais. Entendendo que o digital não é a solução para todas as necessidades de Marketing. Que, por exemplo, nos aspectos de branding, as mídias digitais não são ideais nem otimizadas o suficiente. As pessoas estão entendendo que, no fundo, a migração para o mundo digital é um mecanismo de adição e não de substituição. Não vamos entrar na mídia digital em vez da mídia tradicional. Vamos adicionar ao nosso arsenal de ferramentas à mídia digital. Está havendo um retorno a um equilíbrio maior, onde as pessoas estão entendendo que o papel da mídia tradicional continua existindo e continua importante. Isso enquanto propaganda. Agora, falando em termo de consumo de conteúdo, aí o que a gente tem é uma visão dividida. Até pouco tempo atrás, a mídia em geral era responsável por suprir, nutrir, três tipos de curiosidade humana.

OP – Quais são estes tipos?

Walter – Temos três tipos de curiosidade, todos nós. A curiosidade diversiva, que é aquela curiosidade genérica, superficial. A gente quer se sentir seguro no mundo, então quer saber quem ganhou o jogo ontem, como está o trânsito, se vai chover. Essa sensação de estar sob controle do nosso entorno. Esta é a curiosidade diversiva, vamos dizer que abrangente e genérica. Depois, você tem a curiosidade empática, que é a curiosidade que eu tenho em relação a outras pessoas. Quem casou com quem, quem foi promovido, quem foi demitido... A origem da fofoca é a curiosidade empática. E aí você tem a curiosidade epistêmica, que é a curiosidade de saber por que estas coisas acontecem, qual a consequência deste fato. É a curiosidade mais profunda, mais estratégica, mais analítica. O que ficou claro é que a curiosidade diversiva e a empática foram para a internet, e sobrou para a mídia tradicional a curiosidade epistêmica. As empresas de mídia tradicional que souberem que o papel delas agora é a curiosidade epistêmica, que elas vão ter que não apenas dar o fato, mas principalmente dizer o porquê do fato, qual a consequência do fato. Estas terão longa vida. Não os jornais que somente noticiarem um fato, fato este que quando ele noticia no dia seguinte 100% da população já soube um dia antes... Se for somente o fato, esquece, não têm mais serventia. Esta curiosidade diversiva e a empática foram para o mundo digital. Sobrou para o tradicional a epistêmica, que continua sendo importante. As pessoas continuam precisando entender por que as coisas acontecem, qual é a consequência disso.

OP – O quanto você atribui à credibilidade dos veículos de comunicação consolidados este retorno à normalidade?

Walter – Diria para você que tem tudo a ver com a perda da excitação e entrar na realidade. A gente está percebendo que no mundo digital existe o fake news... O fake news é a maior oportunidade de reposicionamento da mídia impressa que surgiu na última década. Por alguma razão, não estamos fazendo nada. A gente deveria estar fazendo, em conjunto, todas as empresas, os editores, uma enorme campanha sobre credibilidade, sobre reputação... A gente não está aproveitando essa verdade absoluta de que a informação no meio digital padece de uma falta de credibilidade absoluta. Para os anunciantes também está se percebendo que existe hoje uma coisa que chama click factory, ou seja, pelo mundo inteiro estão espalhados milhares de celulares que são robôs e ficam clicando nas notícias, parecendo que você está sendo lido ou percebido e na verdade não está. Então, tem uma série de coisas acontecendo no mundo agora que mostra que o digital é importante e veio pra ficar, mas não posso abandonar o que eu fazia antes. Não posso jogar o bebê junto com a água do banho, como eu vinha fazendo. Só percebe depois de passado a excitação inicial.

OP – Como você vê o uso que o jornalismo está fazendo das multiplataformas?

Walter – A gente tem, no Grupo Abril, cinco crenças importantes. A primeira delas é que a migração para o mundo digital vai se dar por mecanismo de adição e não por substituição. Então nós, que tínhamos apenas as revistas, passamos a ter o site, o paywall, o aplicativo, o prêmio, o evento. Passamos a ter um monte de coisas. Entendendo que o mecanismo é de adição, não de substituição. Então, não vou parar de fazer a revista para ter o digital. Vou fazer a revista e o digital e o aplicativo. Segunda crença: a Abril é uma house of brands e não uma house of media. Não faço apenas mídia, tenho marcas e elas podem ser utilizadas para um monte de outras coisas além da mídia. Então, sou uma casa de marcas e não apenas uma casa de mídia. Com isso tenho a Exame, que eu faço a revista, o aplicativo, o prêmio Exame, o Maiores e Melhores, os seminários, a mentoria... Posso embaixo da marca Exame colocar um monte de produtos, subprodutos etc.

OP – Qual a próxima crença?

Walter – A nossa terceira grande característica é que posso e devo diminuir o muro que separa a notícia da propaganda sem perder credibilidade. O branded content começou a explodir de crescimento, ou seja, marcas que junto conosco passam a produzir conteúdo. Em vez de botar um anúncio de página dupla, põe duas páginas contando coisas importantes, interessantes sobre aquela marca, aquele produto, sendo que em cima está escrito “Santander apresenta”, “Sony apresenta”. Não é que eu queira enganar o leitor. Está sinalizado e as pessoas vão ler como conteúdo. Marcas também tem muita expertise. Por que elas não podem gerar conteúdo e portanto trazer conteúdo adicional para a revista? Então, uma revista que hoje tem 100 páginas de conteúdo e 50 de propaganda, pode ter 150 de conteúdo! Einstein é que estava certo “Ec=Mc, every company is a media company”. (Toda empresa é uma empresa de mídia)

OP – Quais as outras duas?

Walter – A quarta crença é que devemos desenvolver na organização a ‘cultura autoral’. Há pouco tempo ninguém sabia quem estava à frente das empresas. Ninguém sabia quem era o presidente da Boeing, quem era o presidente da General Motors... Hoje, todo mundo sabe quem é o presidente do Facebook, quem é o presidente da Apple. Você hoje tem uma pessoa à frente das marcas. O mundo digital trouxe esse protagonismo para as pessoas. E infelizmente a indústria de editores ainda não percebeu isso. Ninguém sabe quem é o editor de Claudia, quem é o editor da Exame, quem é o editor de Veja... Está errado. A gente precisa dar a eles o protagonismo que eles merecem. Então, em todas as campanhas nossas, eles apresentam o que trouxeram naquela semana, a gente estimula que eles tenham colunas noutras revistas, a participar de eventos e ser protagonistas. A gente tinha medo que o protagonismo do editor fizesse com que ele amanhã saísse, fosse embora. Só que, se a gente não der protagonismo, ele vai embora, e monta um blog como O Antagonista (risos). Essa é a realidade.

OP – A razão da ausência desta cultura autoral era o medo mesmo?

Walter – Acho que era o medo ou a não visão da importância. Quero que a editora de Elle tenha mais seguidores no Twitter que a revista Elle. Quero que ela seja uma expert, uma especialista naquele assunto. Quero que ela tenha um canal no YouTube e que eu ajude a produzir o canal para ela, e que ajude a vender patrocínio e que ela ganhe comigo do patrocínio que eu venda. Esta é a atitude que acho que a gente tem que ter.

OP – Você tocou num ponto em que eu queria chegar, o audiovisual. Como o Grupo Abril está lidando com essa plataforma?

Walter – O 23º andar do Grupo Abril era um restaurante, a gente transformou num grande estúdio. A gente produz uma média de 50 a 60 vídeos por dia. Temos uma aliança com o Facebook, onde esses vídeos são disponibilizados, além de um monte de programas ao vivo que a gente está fazendo. A gente tem uma produção de conteúdo muito grande. Por duas razões. A primeira é que vai para o Facebook, para o YouTube, para todas as mídias sociais. A segunda é porque todas as nossas revistas agora têm o mobile view. Você agora tem a revista, você está lendo, aí de repente você vê um símbolo e sabe que ali tem mais informação. Você põe o celular em cima, por reconhecimento de imagem ele começa a dar o restante daquela matéria, ou o trailer daquele filme, ou uma página adicional daquele livro. Então para que a gente possa ter essa quantidade de informação adicional em vídeo, a gente produz hoje uma montanha de vídeos que a gente insere na revista e ao mesmo tempo disponibiliza nas redes sociais. E a quinta crença, que tem a ver com isso, é que a gente pode ganhar dinheiro não apenas na mídia, mas também através da mídia.

OP – Você poderia explicar melhor esse conceito?

Walter – A gente pode ser gerador de vários negócios, aonde eu ganho dinheiro através da mídia. Exemplo: todas as revistas de decoração, de moda etc, se você quiser comprar qualquer das coisas que está na revista, você viu uma cadeira achou bacana, gostou, põe o celular em cima, aparece um carrinho, você compra e continua lendo a revista e eu entrego. Criei um negócio de e-commerce, a gente criou um monte de outros negócios como este de media for equity (modelo de investimento alternativo que tem como principal objetivo diversificar o fluxo de receita de uma empresa). A gente passou a fazer parcerias com empresas, onde a gente entra com a propaganda ou com o espaço, eles entram com o produto, e a gente criou o Go Box (um clube de assinatura), onde agora vendo assinatura de produtos. Então, tenho um Go Box de vinhos, onde vendo assinatura de vinhos; assinatura de fraldas, assinatura de meias, vendo assinatura de tudo. Divulgo nas minhas revistas, na minha mídia digital. Gerencio a assinatura, porque é a mesma coisa que gerenciar assinatura de revistas, e entrego porque tenho a maior empresa de logística, depois dos Correios, no Brasil, que é a Total Express. Então, com essas cinco crenças a gente está revisando o modelo de negócios.

OP – Voltando ao audiovisual, queria que você falasse um pouco sobre sua estratégia para esta mídia especificamente.

Walter – Durante muito tempo éramos ilhas, absolutamente individualizadas, onde eu tinha a TVeja dentro do meu site e quem quisesse vinha e assistia no meu site. A gente passou a entender, como dizia o Milton Nascimento, que a gente tem de ir aonde o povo está. E não pedir que ele venha até a gente. Então, começamos a ir para as redes sociais, todas elas, mas na verdade quando a pessoa clica naquele programa da TVeja, que está na rede social da Veja, ela cai no meu site. É uma forma de você monetizar ou trazer para o seu site um monte de audiência, que hoje na timeline do Facebook ou no YouTube, onde for. Então, a gente está, no fundo, indo para as redes sociais como um caminho para que as pessoas venham para os nossos sites.

OP – Na verdade, são duas questões. A primeira é que existe uma crença que a audiência do Facebook não migra para os sites.

Walter - Migra sim. Não migra tanto! Migra só quem se interessa, mas é assim mesmo. Novamente, todo mundo que quer curiosidade apenas diversiva ou empática não migra. Todo mundo que vai em busca da curiosidade epistêmica migra. É isso, só isso.

OP – A outra questão é a duração de seus produtos audiovisuais. A TVeja tem uma característica muito própria que são os programas com longa duração...

Walter – Sem preocupação com o tempo! É o chamado tempo real, não é o tempo eletrônico, aquela coisa que tem uma pressa, não é? Existe um açodamento na mídia eletrônica em geral, que é uma coisa meio absurda. Novamente, estamos preocupados com as pessoas que têm curiosidade epistêmica. Filmetinhos, programetes de três minutos tem muita gente fazendo e fazendo bem. Não é o nosso negócio! Nosso negócio é ir fundo no assunto. Então, temos, sim, formatos que diminuem a sua audiência mas que qualificam essa audiência. E aí vem um outro problema que é o seguinte: infelizmente hoje a mídia programática, que vende mídia no mundo digital, não está fazendo muita distinção entre qualidade editorial ou não. Então, se eu tiver uma entrevista com o ministro Meirelles e ao lado tiver um vídeo do cachorro que leva um porco para passear é vendido igual pelo Google. E não é assim. Porque tem um negócio chamado ambiente editorial, qualidade premium do conteúdo e tudo mais. O que precisamos agora, nesse momento, é rever esta perda de equiparação qualitativa de conteúdo, aonde o que eu produzo de alta qualidade, e pago um repórter caro etc, acaba sendo vendido na mídia digital sem essa percepção de diferenciação de qualidade. Temos que mexer nisso. A indústria como um todo. Não faz sentido ter um blogueiro aqui em Fortaleza e você ser do jornal O POVO e quando você põe no Google para ele vender a tua programática, você entra pelo mesmo preço que entra o blogueiro. Não faz nenhum sentido isso. Vamos mexer nisso.

OP – Como você vê essa tensão dos geradores de conteúdos com as redes sociais?

Walter – É uma tensão que está neste momento plantada no mundo inteiro. Muita gente chama as mídias sociais, começou pelo Google, depois foi ao Facebook, de ‘frienemy’, que é uma mistura de Friend com Enemy, essa visão que somos amigos e inimigos. Não acho que as redes sociais sejam nossos inimigos. A forma como os anunciantes estão percebendo o digital, e que agora está mudando, é que é o problema. Uma rede social que eu possa colocar lá tudo o que estou produzindo, que um bilhão de pessoas vão lá e fiquem sabendo tudo o que tenho a oferecer, eu acho ótimo! Vai ser muito mais fácil atingir as pessoas do que ficar pedindo para elas virem no meu site ou entrarem na minha timeline. Agora, isto, por outro lado, não tem nada a ver com a venda de mídia programática, que está equiparando qualidades muito diferentes de conteúdo. Isso precisamos mexer.

OP – Existe uma super empolgação com as redes sociais?

Walter – Você acredita que tem empresa de comunicação que quer like no Facebook? Isso é uma bobagem gigantesca!! (risos). Faz uma promoção “ganha uma batedeira elétrica” e você consegue dois milhões de likes. O que significa isso? Isso não quer dizer nada! Agora, tem uma questão mais técnica, de algoritmos. O Facebook alterou os algoritmos e isso prejudicou muito as empresas de conteúdo, como nós. Hoje, se eu der um like num churrasco na laje da minha empregada vou ver muito mais notícias de churrasco na laje do que um texto de Foucault. Essa mudança de algoritmo prejudicou muito, porque temos que dar para o povo não apenas o que ele quer, mas também o que ele precisa. Precisamos dar cultura para o povo. Hoje, os algoritmos estão fechando as pessoas. Então se gosto de sertanejo, e entro no Spotify com sertanejo, vou ouvir sertanejo o resto da vida (risos). Então, essa tentativa de agradar as pessoas está indo muito em detrimento da população. Está criando uma população sectária, divisionista, quando na verdade a gente precisaria ter uma população cada vez mais tolerante, mais aberta para as diferenças. As redes sociais têm um lado bom, de reunir pessoas numa grande praça, só que depois divide em mini-tribos, por causa do algoritmo, o que está prejudicando a convivência.

 PERFIL

Walter Longo é graduado em Administração de Empresas e especialista em Marketing.

Em mais de 40 anos de carreira já atuou no Grupo Young&Rubicam; presidiu a TVA, empresa de TV por assinatura do Grupo Abril; montou sua própria empresa de consultoria de marketing, a Unimark/Longo; presidiu o Grupo Newcomm Bates; fundou e presidiu a Synapsys, a primeira empresa de Advertainment do País; é palestrante e autor de vários livros sobre Marketing e atualmente preside o Grupo Abril, um dos maiores grupos de comunicação da América do Sul.

PERGUNTA DO LEITOR
Jefferson Cândido, estudante de Jornalismo

LEITOR – Como falar de jornalismo impresso para uma geração que já nasceu digital?

Walter – A geração dos millennials é uma geração que hoje, infelizmente, por culpa dos pais, não tem uma preocupação com conteúdo e tem uma curiosidade muito baixa. A gente brinca, normalmente, dizendo o seguinte: a adolescência é uma doença que passa com a idade. Passava aos 18, agora está passando aos 35. Não é? Aos 18, 19, eu começava a pensar em casar, começava a pensar em trabalhar, para isso eu precisava ler um jornal, saber o que está acontecendo no mundo, precisava pesquisar, estudar e começava a entrar nesse mundo. Você não ficava no entretenimento a vida toda. Isso vai acontecer com todos os millennials que estão aí aos 35. Ou seja, aos 35 anos, eles vão casar, vão ter filhos, vão trabalhar e ao fazer tudo isso vão ter necessidade da curiosidade epistêmica. E nós continuaremos úteis para eles. Enquanto isso, as pessoas com 40 anos vão viver até os 80! Então também temos leitores que hoje vivem muito mais Então, deixe os millennials continuarem na sua frugalidade, na sua superficialidade porque isso passa com a idade, quando eles forem assumir algum compromisso. É um tipo de habitante desse planeta que está mais preocupado com o fim do mundo que com o fim do mês, até que surja a realidade. e aí ele vai ter a necessidade da informação crível, não vai se ligar em fake news e vai passar a separar o relevante do irrelevante, o útil do inútil. 


Texto, foto e vídeo reproduzidos dos sites: YouTube e opovo.com.br

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Morre Hugh Hefner, fundador da Playboy

  Fundador da revista e editor-chefe, Hugh Hefner,
 em foto tirada em 2007 (Foto: AP Photo).

Playboy, revista lançada em 1953 com uma capa sexy de Marilyn Monroe
Foto: Reprodução.

O fundador da 'Playboy', Hugh Hefner, posa com sua nova 
esposa, a coelhinha Crystal Harris, após o casamento celebrado na 
Mansão da Playboy, na Califórnia, no último dia de 2012. 
À esquerda, o cãozinho Charlie também aparece na foto. 
Foto: Elayne Lodge / PEI / Reuter.

Publicado originalmente no site G1, em 28/09/2017 

Morre Hugh Hefner, fundador da Playboy

Empresário tinha 91 anos. Sua revista chegou a ter uma circulação nos EUA de 5,6 milhões de exemplares em 1975.

Por G1

O fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, morreu de causas naturais aos 91 anos, na noite desta quarta-feira (27), em sua casa em Los Angeles, nos Estados Unidos. A confirmação da morte foi feita pela conta oficial da revista no Twitter.

O anúncio da morte de Hefner no Twitter foi acompanhado de uma frase do empresário: "A vida é muito curta para viver o sonho de outra pessoa".

Hefner criou a Playboy Enterprises em 1953, companhia que começou com a revista "Playboy" e depois passou a produzir outros conteúdos eróticos para televisão e internet.

"Meu pai viveu uma vida excepcional e impactante. Defendeu de alguns dos movimentos sociais e culturais mais importantes do nosso tempo, na defesa da liberdade de expressão, dos direitos civis e da liberdade sexual", informou seu filho, Cooper Hefner, chefe de criação da Playboy Enterprises, em comunicado. "Ele definiu um estilo de vida", acrescentou.

Revista Playboy

A revista Playboy, lançada em 1953, conseguiu inspirar e acompanhar a "revolução sexual" dos anos 60 e 70. Foi uma proposta ousada: aliar mulheres nuas com entrevistas inteligentes e reveladoras.

A revista defendeu um estilo de vida hedonista, ideias politicamente liberais, costumes caros e o sexo recreativo - tudo isso numa época de forte repressão aos costumes.

O primeiro número de Playboy mostrou Marilyn Monroe, o maior símbolo sexual da época. Depois, virou uma das marcas mais famosas do mundo e foi a base de um império de mídia.

Nas décadas seguintes, Hefner montou um império liderado pela revista, que chegou a ter uma circulação nos EUA de 5,6 milhões de exemplares em 1975. O coelho símbolo da marca se tornou por si só um ícone pop.

Nos últimos anos, porém, a revista tem lutado contra a forte concorrência erótica gratuita na internet. Por um breve período, entre meados de 2016 até o início de 2017, a publicação experimentou evitar a nudez, antes de retornar à sua fórmula anterior.

"Hefner tomou uma abordagem progressiva não só para sexualidade e humor, mas também para literatura, política e cultura", disse o comunicado da Playboy Enterprises.

O bilionário também liderou batalhas de liberdade de expressão nos EUA, lutando até a Suprema Corte contra os Correios dos Estados Unidos. A companhia se recusava a entregar sua revista.

O empresário também ficou conhecido por festas em sua Mansão Playboy e por ter várias namoradas ao mesmo tempo ao longo da vida. Seu estilo de vida foi retratado no reality show "Girls of Playboy mansion", cujas primeiras temporadas tinham as loiras Kendra Wilkinson, Holly Madison e Bridget Marquardt.

Em 2010, Hefner anunciou o noivado com a modelo Crystal Harris, 60 anos mais nova que ele. Foi o terceiro casamento dele, que se divorciou de suas duas primeiras esposas na década de 1950.

Hefner deixa a mulher, Crystal, seus filhos, Cooper, David e Marston, e sua filha, Christie.

Texto e imagens reproduzidos do site: g1.globo.com

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

As bancas de revistas estão desaparecendo

Foto reproduzida do site: yelp.com.br e postada pelo blog 
“Meio Impresso”,   para ilustrar o presente artigo.

Texto publicado originalmente pelo Portal Infonet, em 18/09/2017.

As bancas de revistas estão desaparecendo.
Por Ivan Valença.

Já não vai distante no tempo o fato de Aracaju ser povoada de bancas de revistas, que além de vender revistas e jornais durante todo o dia, também vendiam guloseimas, como pastéis, picolés e refrigerantes. Era o ponto de encontro para muitos senhores que não perdiam a chance de trocar ideias com quem chegasse, trazendo novidades. Hoje, as bancas de revistas como que desapareceram. Não são mais pontos de encontro, nem vendem revistas famosas ou simples histórias em quadrinhos. Muitas delas fecharam as portas ou simplesmente passaram o ponto adiante. Preferem negociar com outras coisas, não mais com veículos de imprensa. As revistas e jornais parecem não interessar muito a esses negociantes que deixam vazios pontos de vendas antes tidos como locais interessantes. Não é por falta de interesse na leitura, porque as revistas enquadradas neste item, continuam vendendo bem. Um desses ex-proprietários de bancas de revistas explicava dizendo que o chamado “ponto” das bancas de revistas ficaram muito caros. E a movimentação em torno delas diminuiu muito. Mesmo em cidades do interior, as venda em bancas de revistas também caíram e muitos donos pensam em trocá-los ou simplesmente vendê-los. As vendas ou trocas dos chamados “gibis” que eram alavancados por negócios em segunda mão, também hoje estão zeradas. A gurizada parece não estar vendo as revistas que são feitas para eles...

Texto reproduzido do site: infonet.com.br/blogs/ivanvalenca